Pulau Rote, vamos à Indonésia com a Katy

Surf, Sol, Mar, Yoga e ser feliz numa ilha na Indónesia, by Katy Deodato

E não é sobre Bali que vou falar!

Pulau Rote, como se diz na língua bahasa, é uma ilha situada a sul de Timor Ocidental (o lado que perence à Indonésia). Pouco sabia sobre ela, mas dada a proximidade a Timor-Leste (onde nos encontramos agora) surgiu a oportunidade de a ir conhecer: 4 dias de férias, uma páscoa para ser celebrada e um bilhete de avião de 1 hora de Díli até Rote foi o motivo pela escolha desta ilha. Posso já adientar que Rote está no nosso top 5 dos lugares mais especiais onde já estivemos na nossa viagem.

Para quem não vem surfar...JPG

A ilha é “conhecida” por ser um excelente spot para fazer surf. Nós amantes de mar que somos, queríamos matar a saudade de ver ondas, de ver espuma, de ver a força do mar a enrolar-se.  Fomos sem nada em mente, sem expectativas, sem nada pensado (cada vez mais gostamos de viajar assim) talvez por isso é que ultimamente temos tido tão boas surpresas. No avião fiquei colada à janela fotografava tudo o que era paisagem, aquela vista aérea do azul clarinho misturado com recortes verdes, deixaram-me agradecida por estar a ver tamanha beleza natural. Já estava in love com a vista de cima….

Aterrámos na ilha, que até é grande, no aeroporto Ba’a, e rumámos até à zona “turística” propriamente dita, demorámos 1 hora (em taxi partilhado). Chegamos a Nembrala e somos surpreendidos por um lindo por-do-sol no mar. Só o facto de ter por-do-sol para mim é logo sinónimo de lugar adorado. Todos os dias por volta das 18h sentávamos na praia e assistíamos ao momento mais bonito do dia, quase como se de um espactáculo se tratasse. Um momento de puro silêncio, de agradecimento por assistir a tão bonito e impressionante jogo de cores.

Sun Set em Nembrala

Somos apaixonados por praia, por mar, pelas cores, pelas ondas, pelas conchas e pela energia que só o mar nos consegue transmitir. Nesta viagem íamos à procura de harmonia e união total entre nós e a natureza que nos rodeava, não queríamos fazer quilómetros de mota nem explorar muito, queríamos estar tranquilos, sossegados, num bom sítio com boa praia e se possível sozinhos. Rote foi tudo isso.

Praias acessíveis só de barco

Acordar com os primeiros raios de sol, levantar, olhar em frente e ver já um surfista entusiasta a surfar sozinho ondas adoráveis. São 7 e pouco da manhã, o Ricardo pega na prancha desce dois degraus e já tem os pés na praia. Eu vou até ao alpendre, de lá já o vejo no mar (em jeito de autodidacta), começo alongar, a respirar fundo e inicio um conjunto de exercícios de yoga intercalado com pilates,  na companhia  da Carla e os seus adoráveis cães.

Surfar em praias desertas. Bo'a Beach

[À Carla não a quero chamar de dona da casa, mas sim a amiga que nos alugou a sua beach house por 2 noites. Facilmente se consegue criar empatia por ela, a sua simplicidade, o seu bom gosto, a sua simpatia e carinho para com os “amigos” que ficam na casa dela cativam logo com o seu jeito doce de bem receber. Boa Vida, não lhe posso chamar de hotel, nem de guesthouse, mas a casa da nossa nova amiga Carla, é assim que ela nos faz sentir.]

Rotinas matinais

A maré começa a encher e depois do yoga, em jeito já de rotina, refresco-me naquelas águas azul turquesa límpidas, o Ricardo continua no mar, a aprender esta modalidade que tanto o fascina, eu aproveito e saboreio o momento de estar numa praia deserta numa ilha da Indonésia. São 10h e temos já à nossa espera um energético pequeno almoço: com frutas tropicais, granola, ovos mexidos e torradas de pão caseiro. À mesa conversamos sobre nós, sobre viagens, sobre as ondas que cada um apanhou, sentimos a brisa que vem leve, em frente temos os olhos posto no mar que nos entra pela sala a dentro.

O mar dá descanso, aproveitamos e pegamos na mota e vamos ver as praias seguintes. Lindas, selvagens e paradísiacas.  Destaco as palmeiras na praia e o relvado que se funde com a areia a fazer sombra, os animais, muitos: cabras e vacas passeiam livremente, pastam e descansam à vontade. Cada lugar é mágica  e é digno de uma foto que os meus olhos não se cansam de tirar. Foram 4 dias de puro relaxamente e tranquilidade que foram tão bem ao encontro dos requesitos desta viagem.

Boa Vida Rote

Praias desertas que convidam a banhos

Se viajas pela Indonésia e gostas de lugares sem turismo, estar tranquilo a surfar a tua ondinha, teres uns dias com conforto, mete Rote na tua lista.

Deixo algumas recomendações e a opinião de André Campos, surfista experiente em surfar na Indonésia (tendo já surfado em várias ilhas e repetente em Rote), de forma a saberes mais sobre como e onde surfar na ilha. O André começa por me informar que Rote tem “das esquerdas mais compridas da Indonésia e que quanto maior estiver melhor”. Acrescenta que a onda de Rote “não é aquela onda tubular à la Indonésia mas é muito divertida” fazendo as alegrias de qualquer tipo de surfista. Afirma que a “onda rainha de Rote é a T-Land em Nembrala” onde o acesso ao pico se pode fazer de barco ou caminhar 30 minutos em cima do reef.

Bo'a Beach

Uma outra onda recomendada pelo surfista é a de Boa Beach, uma direita com características diferentes da T-Land, é “uma onda melhor para surfistas mais experientes com tubos e secções de pé para manobras fortes”. Quando perguntei ao André sobre Rote como destino de surf, diz-me que é um lugar muito bom para fugir ao crowd de Bali e ter uma experiência gratificante de surf real na Indonésia. Por ser um “lugar que serve também qualquer nível de Surf”, a ilha de Rote começa a ganhar fama como destino previligiado para a prática da modalidade.

Nembrala beach com os seus poucos hoteis

Melhor época: Abril a Outubro (o mês de Julho tem tendência a ser ventoso, e o mês de Agosto é época alta).

Melhor zona do para o surf: o Surf de Rote é consistente e off shore, há uma variedade de esquerdas e algumas direitas. Ondas que vão ao encontro de todo o tipo de surfista:

  • T-Land, em Nembrala beach: tem uma esquerda mais longa do mundo. Pela sua diversidade é vista como melhor spot para surfar.
  • Bo’a beach: a melhor altura é quando a maré começa a encher. Apesar de de ter um recife rochoso este é liso não apresenta perigo. Esta onda é procurada por surfistas experientes.
  • Ndau e Ndana: só acessível de barco estes secrets spot estão nas ilhas em frente a Nembrala.

Onde dormir:

  • Ovabaluk bungalows (homestay) – Negócio familiar com acomodações muito simples em quartos privados. Ao estilo de backpackers. Bem localizado a 700 metros da praia.

Facilidades:

  • Transfer de e para aeroporto 300 mil Rupias (20,75€)
  • Transporte de barco para ir surfar (preço sob consulta)
  • Aluguer de moto: 60 mil Rupias (4,15€)

Preço do alojamento: 400 mil Rupias (27,66€) por noite com pensão completa

Reservas: por Facebook falando directamente com o dono. Procurar pelo nome Olens Ndoen, fala o básico em inglês. https://web.facebook.com/olens.ndoen?pnref=lhc.unseen

  • Bo’a Vida: Uma linda Beach house em cima de uma colina com uma vista panorâmica sobre a praia Bo’a. Do quarto vês logo aquelas ondas que te promentem um dia em cheio de surf.

Boa Vida (a casa da Carla).

Facilidades:

  • Transfer de/para aeroporto 300 mil Rupias (20,75€)
  • Aluguer de moto: 60 mil Rupias (4,15€)
  • Aluguer de prancha: 60 mil Rupias (4,15€)
  • Boat trip para surfar e tours pela ilha: preço sob consulta

Preço do alojamento:

  • Beach house vista mar com capacidade para 5 pessoas. Preço (sob consulta) com pensão completa e estadia mínima de 3 noites.
  • Tree House composta por uma suite (vista mar). Preço (sob consulta) com pensão completa.

Reservas: AirBnB e Booking http://boavidarote.com/

Como Chegar:

Para quem está na Indonésia, por exemplo em Bali a rota será:

Bali – Kupang (1h30 de voo) – Rote (30 min de voo). Também pode optar por fazer de barco quer desde Bali, quer desde de Kupang. Esta rota existe diariamente.

Para quem vem de Timor-Leste:

Díli – Batugade (fronteira), facilmente acessível por transporte públio ou transporte pessoal.

Batugade – Atambua (aeroporto), taxi ou taxi moto (40 min de viagem)

Atambua – Kupang (45 min de voo) – Rote (30 min de voo).

Esta rota existe diariamente. Na ida consegue chegar a Rote no mesmo dia, no regresso terá que pernoitar em Kupang.

O melhor site para fazer a pesquisa de voos na Indónesia é em www.nusatrip.com

[Mas Rote não é só surf, as suas lindas praias atraem os mais aventureiros por isso gostamos tanto dela. Se quiseres conhecer este destino e preferes que alguém te organize a viagem, quer desde de Portugal, quer desde da Indonésia entra em contacto comigo para solicitar orçamento katydeodato@gmail.com ou pela página de facebook https://web.facebook.com/profile.php?id=741463595]

 

This slideshow requires JavaScript.

 

Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s